Introdução à obra de Theodor Adorno

CURSO MINISTRADO POR: Felipe Catalani

VAGAS: 33

CARGA HORÁRIA:

DIAS DO CURSO: 22, 24 e 26/02; 01 e 03/03/2021 - 19h

 

O objetivo do curso é, por um lado, familiarizar os leitores com os textos de Adorno, em geral considerados de difícil compreensão, e por outro apontar a atualidade crítica desses textos.

Nº de pessoas:

-

+

Limpar

R$ 280,00

Ementa do Curso

O objetivo do curso é, por um lado, familiarizar os leitores com os textos de Adorno, em geral considerados de difícil compreensão, e por outro apontar a atualidade crítica desses textos. O curso será estruturado em cinco aulas. A primeira aula será dedicada às origens da ideia de crítica, o renascimento moderno da dialética e a noção frankfurtiana de “teoria crítica”; a segunda aula abordará questões “metodológicas” da crítica cultural e da crítica estética de Adorno; na terceira aula, a partir da leitura de alguns aforismas da Minima Moralia e de outros ensaios, será abordado o sentido da reflexão moral adorniana e seu vínculo com a ideia de história; a quarta aula será sobre a interpretação adorniana do fascismo, levando em consideração o fascismo histórico e o potencial neo-fascista no pós-guerra; por fim, na quinta aula, discutiremos os desdobramentos da crítica dialética no Brasil a partir de textos de Roberto Schwarz e Paulo Arantes nos quais reverberam questões centrais da reflexão adorniana.

  1. O que é crítica?

A gênese política da crítica na modernidade. Da crítica em filosofia à ideia de teoria crítica. A relação com a dialética: Hegel e Marx. O paradigma da crítica da economia política. Conhecimento e interesse: descrever o mundo corretamente implica na necessidade de sua transformação radical.  O conceito de sociedade e o ponto de vista da totalidade. Um mundo feito de abstrações: o fetichismo.

  1. O ensaísta: forma estética e materialismo

O ensaio como forma: ciência ou literatura? A ideia de crítica imanente e a “primazia do objeto”: uma questão de método, contra o método. A fragmentação da forma é adequada à descontinuidade no objeto.  O que é crítica da cultura? A distinção entre cultura e arte. O que se sedimenta nas formas: a história e o ainda-não. Sofrimento e expressão. Autonomia da obra e negatividade estética: o modernismo de Adorno. “A música não deve ser bela, mas verdadeira”.

  1. Catástrofe permanente: a moral da história

Leituras da Minima Moralia: uma metafísica dos costumes reificados. Reflexão moral e objetividade social. O que é o “capitalismo tardio”? Estabilização do capitalismo e perenização da contradição. O mundo depois de Auschwitz e Hiroshima: a “civilização reconstruída”. Adorno como “decadentista”? O progresso e a ideia de história.

  1. Adorno, teórico do fascismo

“Quem não quer falar de capitalismo, deve calar-se sobre o fascismo.” A permanência de um fantasma. As aporias da “elaboração do passado”. Um problema de personalidade? A psicologia na análise adorniana do fascismo. Do fascismo histórico ao “novo radicalismo de direita”. O declínio da normalidade europeia restaurada.

  1. Negatividade brasileira: a dialética na periferia do capitalismo

Formação e desintegração: uma “dialética negativa” em solo nacional. Visões catastróficas de um crítico literário: Roberto Schwarz, leitor dos frankfurtianos. Teria Machado de Assis antecipado Adorno? O apocalipse colonial. A verdade periférica da modernização, a fratura brasileira do mundo: a teoria crítica de Paulo Arantes.

Bibliografia:

(Um roteiro de leitura mais detalhado será entregue aos alunos matriculados)

 Textos de Adorno:

 ADORNO, Theodor. Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

___________________. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70, 2008.

___________________. Minima Moralia. Trad.: Gabriel Cohn. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

___________________. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.

___________________. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995.

___________________. Prismas. São Paulo: Ática, 1998.

___________________. Introdução à controvérsia sobre o positivismo na sociologia alemã. in: Benjamin, Walter et alli. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

___________________. Introdução à Sociologia (1968). São Paulo: Editora Unesp, 2008.

___________________. Ensaios sobre psicologia social e psicanálise. São Paulo: Ed. Unesp, 2015.

___________________; HORKHEIMER, Max. Towards a new manifesto. London: Verso, 2011.

_________________.Resignação. Cadernos de Filosofia Alemã v. 23, 2018.

_________________.Primeiros escritos filosóficos. São Paulo: Ed Unesp, 2018.

__________________.“O que significa elaborar o passado” disponível em https://www.marxists.org/portugues/adorno/ano/mes/passado.htm

__________________.Aspectos do novo radicalismo de direita. São Paulo: Ed Unesp. (no prelo).

__________________.“Capitalismo tardio ou sociedade industrial?” in Gabriel Cohn (org.). Theodor W. Adorno: sociologia. São Paulo: Ática, 1986.

___________________.“Observações sobre o conflito social hoje” (tradução não publicada)

_________________.Sobre Marx e os conceitos fundamentais da teoria sociológica (a partir de notas de seminário do semestre de verão de 1962). Tradução não publicada.

 

Outros textos:

ARANTES, Paulo. Ressentimento da Dialética: Dialética e Experiência intelectual em Hegel (Antigos Estudos sobre o ABC da Miséria Alemã). São Paulo: Paz e Terra, 1996

_____________. “A fratura brasileira do mundo” in Zero à esquerda. São Paulo: Conrad, 2004.

_____________. Sentimento da dialética. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

Habermas, Jürgen. Conhecimento e Interesse. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

HORKHEIMER, Max. “Teoria crítica e teoria tradicional”. Os Pensadores, Abril, 1980.

_______________. O Estado Autoritário. (tradução não publicada)

POLLOCK, Friedrich. “Capitalismo de Estado” in Crise e transformação estrutural do capitalismo: Artigo na Revista do Instituto de Pesquisa Social, 1932-1941. Florianópolis: NEFIPO, 2019.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Ed. 34, 2012.

________________. Sequências Brasileiras. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

________________. Machado de Assis: um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Ed. 34, 2009.

 

Ministrado por

Felipe Catalani

Doutorando e mestre em filosofia pela Universidade de São Paulo. Realizou estágio de pesquisa na Humboldt-Universität zu Berlin, Freie Universität e Université de Paris-Nanterre. É autor de diversos artigos na área de teoria crítica e filosofia alemã.  

Aulas

AULA 1
Data: 22/02/2021
Horário: das 19h às 21h

____________________________________

AULA 2
Data: 24/02/2021
Horário: das 19h às 21h

____________________________________

AULA 3
Data: 26/02/2021
Horário: das 19h às 21h

___________________________________

AULA 4
Data: 01/03/2021
Horário: das 19h às 21h

___________________________________

AULA 5
Data: 03/03/2021
Horário: das 19h às 21h